sábado, 26 de fevereiro de 2011

Diário de um Cão


Não há como evitar as lágrimas ao ler este texto. Apenas Leia e Reflita nesta triste história que infelizmente acontece todos os dias.

1ª semana:
Hoje completei uma semana de vida. Que alegria ter chegado a este mundo!

1 mês:
Minha mamãe cuida muito bem de mim. É uma mãe exemplar!

2 meses:
Hoje me separaram de minha mamãe. Ela estava muito inquieta e, com seu olhar, disse-me adeus.
Espero que a minha nova "família humana" cuide tão bem de mim como ela o fez.

4 meses:
Cresci rápido; tudo me chama a atenção. Há várias crianças na casa e para mim são como "irmãozinhos".
Somos muito brincalhões, eles me puxam o rabo e eu os mordo de brincadeira.

5 meses:
Hoje me deram uma bronca. Minha dona me bateu porque fiz "pipi" dentro de casa. Mas nunca me haviam ensinado onde deveria fazê-lo. Além do que, durmo no hall de entrada. Não deu para aguentar.

8 meses:
Sou um cão feliz! Tenho o calor de um lar; sinto-me tão seguro, tão protegido... Acho que a minha família humana me ama e me consente muitas coisas. O pátio é todinho para mim e, às vezes, me excedo, cavando na terra como meus antepassados, os lobos quando escondiam a comida. Nunca me educam. Deve ser correto tudo o que faço!

12 meses:
Hoje completo um ano. Sou em cão adulto. Meus donos dizem que eu cresci mais do que eles esperavam. Que orgulho devem ter de mim!

13 meses:
Hoje me acorrentaram e fico quase sem poder movimentar-me até onde tem um raio de sol ou quando quero alguma sombra. Dizem que vão me observar e que sou um ingrato. Não compreendo nada do que está acontecendo.

15 meses:
Já nada é igual... Moro na varanda. Sinto-me muito só. Minha família já não me quer! Às vezes esquecem que tenho fome e sede. Quando chove, não tenho teto que me abrigue...

16 meses:
Hoje me desceram da varanda. Estou certo de que minha família me perdoou. Eu fiquei tão contente que pulava com gosto. Meu rabo parecia um ventilador. Além disso, vão levar-me a passear em sua companhia!...
...Nos direcionamos para a rodovia e, de repente, pararam o automóvel. Abriram a porta e eu desci feliz, pensando que passaríamos nosso dia no campo.
Não compreendo porque fecharam a porta e se foram.
"Ouçam, Esperem!" - lati... Se esqueceram de mim... Corri atrás do carro com todas as minhas forças.
Minha angústia crescia ao perceber que quase perdia o fôlego e eles não paravam. Haviam me esquecido.

17 meses:
Procurei em vão achar o caminho de volta ao lar. Estou e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas de bom coração que me olham com tristeza e me dão algum alimento. Eu lhes agradeço com o meu olhar, desde o fundo de minha alma. Eu gostaria que me adotassem: seria leal como ninguém! Mas somente dizem: "pobre cãozinho, deve ter-se perdido."

18 meses:
Um dia destes, passei perto de uma escola e vi muitas crianças e jovens como meus "irmãozinhos". Aproximei-me e um grupo deles, rindo, me jogou uma chuva de pedras "para ver quem tinha melhor pontaria". Uma dessas pedras feriu-me o olho e desde então, não enxergo com ele.

19 meses:
Parece mentira!?! Quando estava mais bonito, tinham compaixão de mim. Já estou muito fraco; meu aspecto mudou. Perdi o meu olho e as pessoas me mostravam a vassoura quando pretendo deitar-me numa pequena sombra.

20 meses:
Quase não posso mover-me! Hoje, ao tentar atravessar a rua por onde passam os carros, um me jogou! Eu estava no lugar seguro chamado "calçada", mas nunca esquecerei o olhar de satisfação do condutor, que até se vangloriou por acertar-me. Quisera que me tivesse matado! Mas só me deslocou as cadeiras! A dor é terrível!...
... Minhas patas traseiras não me obedecem e, com dificuldade, arrastei-me até a relva, na beira do caminho...
Faz dez dias que estou embaixo do sol, da chuva, do frio, sem comer. Já não posso mexer-me! A dor é insuportável! Sinto-me muito mal; fiquei num lugar úmido e parece que até o meu pelo está caindo...
Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem: "não chegue perto!!". Já estou quase inconsciente. Mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. A doçura de sua voz me fez reagir. "Pobre cãozinho, olha como te deixaram", dizia...
Junto com ela estava um senhor de avental branco. Começou a tocar-me e disse: "Sinto muito senhora, mas este cão já não tem remédio. É melhor que pare de sofrer".
A gentil dama, com as lágrimas rolando pelo rosto, concordou. Como pude, mexi o rabo e olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar. Somente senti a picada da injeção e dormi para sempre, pensando em porque tive que nascer se ninguém me queria...



quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Novos pets em casa: dificuldades na hora da apresentação

Especialista em comportamento canino explica quais 
são as principais causas das brigas entre os cães 
novos e veteranos e como evitá-las



Os cães costumam se “estranhar” pelo posto de líder da casa - Flickr/ CC – mekanoideOs cães costumam se “estranhar” pelo posto de líder da casa
Crédito: Flickr/ CC – mekanoide
Para os que amam os animais, levar um cachorro para casa é sempre uma alegria. Os filhotes são fofos e engraçadinhos, enquanto os adultos são espertos e curiosos. Em pouquíssimo tempo, eles se tornam o centro das atenções, e não são raros os casos em que um novo cão é levado para casa – seja pela vontade de ter um filhote ou para arrumar companhia para o bichinho solitário. Porém, o que deveria ser uma alegria, pode se tornar frustração, pois muitos deparam com o desafio de introduzir um novo pet em casa.
A chegada de um novo pet é uma grande novidade para todos – para os donos que estão ansiosos, para o cão que não conhece seu novo companheiro e para o animal que está chegando. Por ser um momento de grandes expectativas, as pessoas estão mais aptas a errar na forma de agir com os animais – fazendo com que o encontro se torne uma grande decepção, com muito latido, rosnados e, à vezes, agressão. Para que não haja nenhum problema, é importantíssimo que todos os membros da casa estejam calmos para apresentar os animais e aptos a agir caso necessário.
Além disso, é importante compreender o comportamento natural dos cães para identificar possíveis erros na introdução de um novo pet em casa. Como sabemos, os cães são criaturas sociais que vivem sob uma estrutura hierárquica bem definida: líder e liderados. Assim sendo, é comum para as matilhas receberem novos membros. Além disso, as regras desse grupo são definidas pelo líder, e devem ser seguidas por todos os demais. Portanto, não é difícil perceber que a maioria dos problemas que as pessoas enfrentam na introdução de novos animais é causada pela falta de liderança dos donos.
Quando os cães são os líderes da matilha de nossa casa, as regras são impostas por eles. A decisão se o novo animal será ou não bem aceito, caberá ao líder. Por isso, é comum observarmos muitos casos em que os cães se “estranham”, pois o líder costuma defender sua matilha do intruso que está chegando. E nesse momento, não adianta utilizar técnicas deadestramento – borrifadores, latas com pedrinhas ou extintores – isso só serve para “apagar incêndio”, mas não resolve o problema. A questão de liderança deve ser resolvida antes da introdução do novo animal.
Liderar uma matilha é preencher todas as necessidades dos demais cães do bando: oferecer uma rotina de exercícios e impor suas regras e limites a todo o momento. Dessa forma, os demais cães respeitarão a decisão do líder e poderão ser mais facilmente corrigidos caso ajam de forma inadequada durante a apresentação.
Cães equilibrados são normalmente sociáveis e submissos, permitindo a introdução de novos animais com maior facilidade. Para facilitar o processo de formação da nova matilha, é interessante realizar uma caminhada com todos os animais para agilizar a criação de elo entre os membros, pois a caminhada é uma atividade normal para os cães – lembre-se que, em sua origem, a migração era algo comum para os cães e era sempre realizada em bando.
Fonte: PetMag

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Linkin Park - Burning In The Skies

Vômito pode indicar problemas graves em cães e gatos

Veterinária explica que o sintoma é comum em 
doenças mais graves como gastrite, intoxicação 
alimentar e úlcera

Animais abatidos devem ser levados ao veterinário para que os exames necessários sejam feitos - Flickr/ CC – SMNAnimais abatidos devem ser levados ao veterinário para que os exames necessários sejam feitos
Crédito: Flickr/ CC – SMN
Melhor ficar atento da próxima vez que o seu pet apresentar sintomas como vômitos ou diarreia. Isso porque apesar de comuns, eles podem estar relacionados a várias doenças mais graves. “Vômitos constantes podem ser consequências de uma gastrite, alergia ou intoxicação alimentar, úlcera gastro duodenal, insuficiência renal, verminose, giardiase ou virose”, explica a médica veterinária Carla Alice Berl, diretora do Hospital Veterinário Pet Care.
A especialista explica também que os mesmos sintomas podem sugerir doenças hepáticas, ingestão de corpos estranhos, pancreatite, infecções como cistite, piometra, problemas neurológicos, como síndrome vestibular, tumores e muitas outras patologias. É justamente por isso que os “proprietários devem buscar o auxilio de um veterinário de confiança para diagnosticar corretamente a causa do problema”, aponta Dra. Carla.
Maus costumes do pet, como comer rápido e tomar água logo em seguida, também podem causar vômitos e diarreias, mas a médica alerta que este não é um fator que leva o animal a vomitar com frequência. “Não procede, pois há variações de animal para animal. Talvez no caso dos filhotes, comer rápido e ir brincar logo em seguida possa fazê-lo vomitar”, indica. Por outro lado, animais que usualmente ficam soltos correm o risco de ingerir substâncias venenosas ou químicas que são maléficas ao organismo do animal.
Veterinária explica que algumas plantas são tóxicas e podem causar vômitos nos pets - Flickr/ CC – neiljaxxVeterinária explica que algumas plantas são tóxicas e podem causar vômitos nos pets
Crédito: Flickr/ CC – neiljaxx
“O problema é quando se ingere algo ruim, como venenos, pesticidas, algumas plantas, como a “Comigo Ninguém Pode”, chocolates, e outros químicos”, esclarece. Quanto à prática de se lamber, Dra. Carla explica que filhotes e adultos já são acostumados a se lamber, ou ao chão. “Mas alguns produtos, insetos, ou répteis vão induzir ao vômito”, finaliza.

Frequência e tipos de vômito

O vômito nos animais, assim como nos seres humanos, geralmente é consequência de alguma doença ou mal-estar. Assim, se for um caso ocasional, é aceitável, mas deve passar por avaliação. Para a veterinária, é muito importante diferenciar o vômito da regurgitação. “Quando vomita, o animal faz a ‘mímica’ da contração abdominal. Já quando vai regurgitar, ele simplesmente expele o conteúdo alimentar e este vem do acúmulo no esôfago”, sem fazer esforço algum, esclarece.
“De qualquer maneira, o vômito espumoso claro ou amarelo é melhor que o vômito cor de borra de café ou avermelhado”, explica. Neste caso, ambos indicam presença de sangue. Quanto a vômitos com odor fétido de fezes, estes podem indicar obstrução intestinal alta. Já os que ocorrem de madrugada, muitas vezes, podem indicar gastrite.
Para acalmar os proprietários, a Dra. Carla garante que já existem medicações veterinárias específicas para controlar o vômito e que são 95% eficientes. Mas, ainda segundo ela, vale lembrar que é preciso achar a causa do problema e trata-lo. “O tratamento vai depender de resultados do exame clínico e ou ultrassom, Raio-X, hemograma e bioquímica sanguínea, endoscopia, biopsia etc”, finaliza a especialista.
Fonte: PetMag

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Switchfoot - "This is Home"

Arctic Monkeys - Crying Lightning

Revista PetMag Edição #04 - Fev/2011


Leia a Revista PetMag em versão digital clicando aqui.

Impossível é uma palavra muito grande que gente pequena usa pra tentar nos oprimir ♫

Banda Resgate - O Médico e o Monstro

HOTKID - "Yours and Mine"

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O Caso Tietê - São Paulo

O triste estado deplorável dos cães abandanados que a 
ONG Cão Sem Dono encontrou em um terreno de uma 
ONG totalmente sem condições de manterem esses 
animais neste local.


Cães abandonados em terreno de ONG precisam de ajuda




Na última semana, o jornal SPTV (Rede Globo), mostrou a história de um abrigo de animais na cidade de Tietê, interior de São Paulo, onde aproximadamente 100 cães viviam em um terreno em estado deplorável, sem a menor condição de sobrevivência, higiene e estrutura. O local está há dez anos sob a responsabilidade da ONG Bicho Feliz, que deveria cuidar desses animais abandonados. Ainda de acordo com a reportagem, o presidente da ONG admite que tem problemas. Já o prefeito da cidade disse ao jornal que o local já passou por reformas e que os animais seriam transferidos para o parque de exposições da cidade. Saiba mais aqui.

Após uma denúncia, um grupo de voluntários foi até o local e encontrou os cachorros com sarna, carrapatos e bernes. Além disso, havia ração espalhada pelo chão misturada ao lixo e às embalagens de medicamentos veterinários. Em um tambor, centenas de seringas já utilizadas estavam descartadas ao ar livre. 17 animais foram levados veterinários e o restante recebeu medicamentos que o grupo levou.

Agora, a ONG Cão Sem Dono, de São Paulo, irá recolher 45 cães que ficaram no terreno. A instituição precisa de apoio para fazer o resgate e tratar dos animais, já que todos eles estão muito doentes. Para isso, o Cão Sem Dono pede doações em dinheiro para transporte, exames, raio X e tratamento.  Quem quiser ajudar também pode colaborar com ração de boa qualidade e medicamentos.

Dados bancários para doações em dinheiro:
Banco Bradesco
Ag.: 86
C/C: 5620-0
Cão Sem Dono
CNPJ: 10.157.938/0001-73

Medicamentos necessários:
Soro, Soro Ringuer, cateter, equipo, seringas de 3 e 5 ml, agulha de todos os tamanhos, Doxiciclina, Cefalexina, Emolitan, Ranitidina, Dipirona, mata bicheira prata, capstar, Yodo Povidine, Gase, luvas de procedimento, tramadol, triatox, vermifugos, vacinas V10.

Fonte: Criativa - Bicharada

Alimentos Proibidos



É sempre bom saber que alimentos não podem ser oferecidos aos nossos pets.
Por isso resolvi fazer uma lista para vocês se informarem não só para o seu pet,
como de outros. Todos esses alimentos abaixos são proibidos para os animais citados,
caso sejam oferecidos podem ocasionar doenças pequenas até diabetes e problemas
sérios como intoxicação e envenenamento.

Os que os hamsters não podem comer?
Amêndoas | Sementes de maçã | Comida enlatada Chocolate | Balas e guloseimas 
| Salgadinhos | Produtos suínos Batata crua Feijão cru | Berinjela | Salsa | Sementes
de uva Folhas de tomate | Alimentos cítricos Melancia Caroço de cereja | Folhas
e caroço de pêssego Caroço de damasco Limão Geléias e compotas Pimentas | 
Alho | Cebola | Alho poró | Cebolinha Picles | Pão branco

O que os cães e os gatos não podem comer?
Chocolate | Ossos cozidos  | Cebola e alimentos preparados com cebola | Batatas,
inhame, mandioquinha, cará crus | Abacate | Linhaça crua Açúcar e alimentos
açucarados | Frituras | Alho - Não ofereça mais do que uma fina lâminazinha 
Macadâmias | Chá preto | Café Bebidas alcólicas Batata germinada Brotos de
batata | Pimenta Uva e uva passa | Adoçantes | Refrigerantes Folhas e caules de
tomate Folhas de abacate Folhas e caules de batata Folha de beterraba
Sementes de frutas 

O que os coelhos não podem comer?
Alface | Alfavaca dos montes Anémonas Árvore-da-borracha | Azedas | Batata |
Beladona Camélia | Cavalinha | Cicuta | Dedaleira | Erva-leiteira | Escrofulária-nodosa |
Espinafres Ervilhas | Feijão-verde Giesta Jarro-dos-campos | Laurisilva Leguminosas
secas (feijão, grão-de-bico, soja...) | Lírios do vale |Meimendro negro Mostarda-dos-
campos | Papoilas Ranúnculo | Ruibarbo | Tremoço Trovisco

Fonte: My Pet Brasil

4 Vidas De Um Cachorro


O livro está disponível nas principais livrarias do País, a partir de 19,80 reais - DivulgaçãoO livro está disponível nas principais livrarias do País, a partir de 19,80 reais
Crédito: Divulgação

relacionamento dos animais de estimação com seus donos, em especial, o dos cães, já foi retratado em diversos filmes e livros. Histórias de amor e lealdade, como a do labrador Marley, de Marley & Eu, continuam a emocionar. Não é à toa que a obra A Dog’s Porpuse, lançamento do autor Cameron W. Bruce, já é um verdadeiro sucesso fora do Brasil.
O livro acaba de ganhar uma versão em português pela editora Nova Fronteira, e traz a história de um cãozinho que renasce quatro vezes, e que está em busca de um propósito especial. 4 Vidas de Um Cachorro é narrado por Bailey, um desses quatro cães encarnados. Toby, é primeiro deles. O cachorro é resgatado por uma mulher que possui um abrigo clandestino, e como não tem licença para o seu funcionamento, se vê obrigada a sacrificar todos os cães, inclusive Toby.
É então que o bichinho renasce na pele de um filhote de Golden Retriever, Bailey, que por pouco, não morre de hipertermia, depois que seus donos o deixam preso dentro de um carro. Felizmente, animal é resgatado por uma mulher que o trata muito bem ao longo de toda sua vida. Sua próxima encarnação é na pele de Ellie, uma fêmea de Pastor Alemão treinada para realizar resgates e salvamentos.
Mas é apenas quando o animal renasce no corpo do labrador Buddy que ele finalmente começa a compreender o seu verdadeiro propósito de vida. O livro promete agradar os amantes de animais de todas as idades, principalmente, por capturar a essência de todo cachorro: a capacidade de proteger e amar incondicionalmente seu dono.
O livro está disponível nas principais livrarias do País, a partir de 19,80 reais.
Fonte: PetMag

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Mulheres tendem a tratar seus pets melhor que os homens

Estudo norte-americano revelou que os homens têm maior probabilidade de cometer crueldade contra animais



Mulheres são mais carinhosas com seus pets e compreendem melhor as necessidades deles - Flickr/ CC – San Diego ShooterMulheres são mais carinhosas com seus pets e compreendem melhor as necessidades deles
Crédito: Flickr/ CC – San Diego Shooter
O Brasil já é considerado um dos dez países com maior população de animais de estimação do mundo. Diante da estatística fica claro o quanto gostamos de pets, o que poucos sabem, no entanto, é que a maneira que os bichinhos são tratados depende do gênero de seus donos. Segundo informações do jornal Daily Mail, um estudo revelou que as mulheres tendem a cuidar de cães e gatos melhor que os homens.
A pesquisa foi elaborada pelo psiquiatra Hal Herzog, que declarou à publicação que os motivos de tal constatação são culturais e científicos. Ele, que é especialista na interação entre animais e humanos disse que as mulheres tendem a associar os filhotes aos seus futuros filhos, despertando assim seu instinto materno.
As pessoas do sexo feminino também tendem a cuidar melhor de seus pets, reconhecendo com mais facilidade suas necessidades, como idas ao veterinário, por exemplo. Já os homens têm mais probabilidade de cometer crueldade contra os animais, revelou o estudo.
Pesquisa revela que filhotes fofinhos despertam o instinto materno nas mulheres, incentivando-as a tratá-los com mais afeto - Flickr/ CC – denizen24Pesquisa revela que filhotes fofinhos despertam o instinto materno nas mulheres, incentivando-as a tratá-los com mais afeto
Crédito: Flickr/ CC – denizen24
Segundo o dr. Herzog, os testes químicos realizados com os homens revelou que quanto maior o teor de testosterona no organismo maior a tendência de cometer abusos com animais.
Curiosamente, o hormônio ocitocina tem efeito oposto para ambos os sexos. Ele é responsável pela sensação de prazer quando a mãe tem o seu bebê e também quando o pai segura o seu filho nos braços. Segundo o estudo, ter um bichinho desperta a mesma ação do componente.
Segundo o psiquiatra, estudos recentes revelam que as mulheres são geneticamente mais susceptíveis a se comover com animais “bonitinhos”. O cérebro femino recebe a imagem de criaturas com uma carinha delicada e olhos grandes de forma diferente que os homens.
Fonte: PetMag

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Gatinho não consegue ser adotado por parecer com o lord Voldemort, vilão de Harry Potter


gato de rua Charlie desenvolveu câncer de pele e, por conta disso, teve as orelhas e o nariz removidos. Com a cirurgia, o felino ganhou as feições de Voldemort ( vilão nas histórias de Harry Potter), garantem os visitantes do abrigo Blue Cros, na Inglaterra, que não querem levar o animal para casa justamente por causa da semelhança.
Segundo funcionários do local, o gato é muito carinhoso e poderia facilmente se adaptar a uma casa nova caso fosse adotado. “Quem sabe uma criança fã de Harry Potter não ficaria feliz em tê-lo?”, afirmou Marie Loveridge, assistente social ao jornal Daily Mail. Mesmo com a remoção, Charlie é capaz de cheirar, ouvir e até espirrar de vez em quando.
O câncer de pele em gatos, apesar de raro, pode acontecer quando os felinos são expostos excessivamente ao sol. “Recomenda-se deixar o animal na sombra em dias muito quentes e aplicar protetor solar em sua pele”, explicou o veterinário Alison Thomas.

(Foto: Mikael Buck/Solent News)